Ecoturismo: tendência e oportunidade em turismo alternativo

Uma opção para quem gosta de se aventurar por trilhas e lugares inusitados, tendo contato com elementos culturais e com a natureza, o ecoturismo ou turismo ecológico vem ganhando mais espaço, mais consciência dos gestores municipais e mais adeptos pelo país. Em Quixadá, a 168km de Fortaleza, no Ceará, o ecoturismo se torna bastante evidente: a todo lugar, o viajante presencia atividades recreativas, esportivas e educativas.

O principal atrativo da região são as atividades mais radicais, como o voo livre. De acordo com a Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Turismo de Quixadá, o voo livre pode girar em torno de R$ 1,5 milhão por temporada, e o índice ainda pode ser multiplicado caso o fluxo de pessoas seja intensificado em outros meses do ano.

Na cidade, também são famosas a trilha da Galinha Choca e o passeio ao Lago dos Monólitos, uma unidade de conservação criada para proteger as formações rochosas naturais da região. O Monumento Natural dos Monólitos é instrumento tombado pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O interior se destaca

Quebrando o fluxo turístico mais recorrente às capitais dos estados, não é só o sertão cearense que ganha evidência. O estado de Minas Gerais ampliou seu mapa turístico, passando de 279 municípios no ano de 2016 para 555 cidades com potencial turístico em 2017. O turismo dessas regiões também abrigam o agroturismo, ou o turismo rural, mais voltado para pessoas que buscam tranquilidade em regiões serranas e demais áreas de baixo fluxo de pessoas.

Entre as cidades com maior relevância turística no estado de Minas estão Divinópolis, Pará de Minas e Formiga. A Trilha dos Bandeirantes é uma das principais rotas turísticas de Divinópolis, estando inclusa no Circuito Turístico Verde que reúne 9 municípios. Pará de Minas e Formiga integram o Circuito Turístico de Grutas e Mar de Minas, uma região com lagos, grutas, fazendas centenárias e sítios arqueológicos.

 

Falkner Moreira
Produção de Conteúdo

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *